quarta-feira, 31 de agosto de 2011

JERÔNIMO FAGUNDES, ESCRITOR E ARTISTA PLÁSTICO, FALA SOBRE SUA EXPERIÊNCIA COM AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS! ENTREVISTA!

MAIS UM
TALKIE SHOW VIRTUAL


Na década de 90, eu estava instalado no 
quinto andar de um velho prédio repleto
 de academias de musculação bem 
na esquina da famosa avenida 
São João com avenida Ipiranga, no 
coração de São Paulo, 
a maior cidade da América Latina. 
Embaixo, na época, estava o 
tradicional Bar do Jéca (ponto de
encontro de encontro de músicos e 
artistas em geral),
 e bem na frente do também super 
tradicional Bar Bhrama, que foi restaurado
 e ainda está a todo vapor.
Ali era um ponto estratégico, pois todo 
aquele que chega à cidade, sem dúvida, 
uma hora ou outra acaba passando 
naquela famosa esquina que inspirou o genial
 compositor baiano Caetano Veloso.
 Foi também ali que num belo dia surgiu 
um jovem todo 
vestido de negro, pouco cabelo, 
expressão séria e de poucas 
palavras. Seu nome? O nome da fera, 
desta feita, é
o meu querido bengala brother 
das antigas...



JERÔNIMO FAGUNDES,
 ARTISTA PLÁSTICO E ESCRITOR
      Ele é o nosso entrevistado de hoje.



Tony 1- Grande bengala friend, Jerônimo!
 Quanto tempo, hein? 
Vai ser uma honra colher seu depoimento.
 Parece que foi ontem que você entrou pela 
porta do nosso estúdio pela primeira vez. 
Isto aconteceu na década de 90, se 
eu não em engano. Confere?

Jerônimo: Mais ou menos. O ano era 1989 e o mês 
era setembro. Lembrando que eu havia 
chegado em Sampa em agosto de 1988,
 depois de me formar na PUC
( Publicidade e Propaganda) .


Pontifícia Universidade Católica de SP (PUC) - no bairro de Perdizes

Logo da PUC

Tony 2 – Que beleza. Por isso é que
 eu adoro essas entrevistas. 
Jamais imaginei que você tivesse formação 
acadêmica. Continuando... 
Naquela época remota, recebíamos muitos
 artistas naquele estúdio, afinal
 estávamos num ponto central da cidade, 
de fácil acesso. 
Apesar disso, sempre aparecia muita
 gente com uma pasta de originais 
ou textos e a gente nunca acabava sabendo 
como é que vocês descobriam a gente. 
Pergunto: Como foi que você soube 
que estávamos 
instalados no quinto andar daquele
 prédio e o que o levou a nos procurar?

Jerônimo: Eu não lembro bem, mas
 acho que foi simples...
Eu vi o endereço na revista Udigrudi e estava 
tentando vender minha HQ Paranóia Nuclear, 
que no final você comprou 
(em três suaves prestações) .
 Na verdade, eu estava fazendo uma 
peregrinação pelas editoras,
 geralmente acompanhado pelo Gil Firmino.

Tony 3 – Gilberto Firmino? O Gibão, 
pros íntimos? Que depois virou editor 
da famosa e lendária revista 
Porrada e Pau Brasil? 
Putz... Cara, eu não me lembrava disso, juro... 
você me lembrou de um cara que também 
foi importante paras HQs nacionais. 
Um grande bengala brother guerreiro:
 Mister Gibão. Legal...
 também preciso entrevistar esta fera! 
Você na época andava
 vestido todo de negro,
 coturno, cabelo ralo, e era um rapaz de 
poucas palavras, correto?
Você era um dark? Dark, é esse 
o termo correto?






Jerônimo: Não, eu havia sido dark em 1986. 
Naquela época eu era anarcopunk da 
Juventude Libertária. 
Foi uma época extremamente feliz 
da minha vida, 
apesar de que a ideologia era utópica. 
Mas eu não era muito tímido
 com as mulheres. Hehehe...

Tony 4 – Anarcopunk? Nunca tinha ouvido
 este termo 
antes, pode crer... (Rsss...). 
Juventude Libertária? Gostei do termo. 
É quando somos jovens acreditamos muito
 nessa ideologias malucas, somos 
contra o sistema, depois "cai a ficha",
 quando amadurecemos, nos casamos e 
daí nos conscientizamos
 que não dá pra fugir dessa meleca social 
toda que inventaram. 
Enfim, somos, todos, vítimas do sistema. 
Não era tímido com 
as mulheres? Ainda bem... (Rsss...).
 Quantos anos você tinha?











O artista entre os amigos

Tony 7 – Alguém tinha que segurar as buchas, 
certo? Nem só de arte vive o homem, 
infelizmente... 
Não me lembro exatamente 
o que você nos apresentou... deve ser 
arteriosclerose, 
é a idade (Rsss...)
foram desenhos ou textos de 
histórias em quadrinhos?

Jerônimo: Conforme eu falei foi a HQ Paranóia
 Nuclear,  dos Ratos de Porão.

Tony 8 – Foi isso mesmo: Ratos do Porão! 
Agora me lembrei... prossiga...

Jerônimo: Fora essa, eu apresentei mais 
um monte e você rejeitou todas. Até que
 eu comecei a trazer as Hqs do
 meu irmão, Gilberto Souza. 
Daí você adorou. Hahaha...




Tony 8 – Sério? Aposto que este tal 
Gilberto de Souza era você mesmo... 
vou morrer sem saber a real, aposto...
Qual é o seu nome completo?

        Jerônimo: Jerônimo Fagundes de Souza,
 codinome: Jsouza.

Tony 9 - Em que dia, mês, ano, e estado, 
você nasceu?

Jerônimo: 11-11-1966 e não sou gaúcho, nasci 
em São Bernardo do Campo.


S. B. do Campo - Estado de São Paulo



Tony 10 – Atualmente você mora aonde?


Jerônimo: Boa pergunta. Kkkkkk. 
Eu moro em Porto Alegre, mas passo 
toda a semana no interior...

Tony 11 – É casado, solteiro ou 
“amancebado”? (Rsss...).


Jerônimo: Ih, agora danou. Eu sou 
separado, mas “casei” 
de novo com a mesma mulher: 
Cláudia Elisa.

Tony 12 – Bacana.... parabéns aos “pombinhos”... Quanto tempo você trabalhou  com a gente? 
Desculpe-me, pode parecer displicência 
da minha parte, mas passou por 
ali tantos autores que as 
vezes fica difícil me lembrar de todos ou 
de todos os detalhes.

Jerônimo: Foi menos tempo do que 
eu gostaria. Apenas três meses...

Tony 13 – Hmmm... foi uma passagem 
relâmpago... Quais eram seus 
personagens preferidos de HQs, 
na infância? E qual você não gostava? 
Enfim,  o que você lia?

Jerônimo: Meu pai era um fanático por Hqs
 e ele sempre comprava gibis para 
nós dois. Fora isso, ele 
comprava os dele, que a gente acabava 
roubando. Assim eu conheci o Gibi, da RGE,
 com Rip Kirby, Tarzan, 
Fantasma, Agentes Trigêmeas, Ferdinando, 
Iznogud, Little Nemo 
e tantos outros heróis fantásticos. Mas o meu 
“arroz com feijão”
 sempre foi o Zé Carioca, do Canini. Aquelas
 histórias eram tipicamente brasileiras!


Rip Kirby no Brasil ficou conhecido como Nick Holmes











Zé Carioca, um dos gibis preferidos de Jerônimo







Tony 14 – Seu pai tinha um bom gosto. 
Iznogud?
 Putz adora esta série do cara que 
queria ser califa no lugar do 
califa. Era um sarro... quanto a fase
 em que o Renato Canini desenhou o
 Zé Carioca, ela é 
inesquecível, mesmo. O gaúcho era fera. 
Na adolescência, o que você lia?

 Jerônimo: Nos meus anos teen eu 
comecei a curtir os super-heróis 
( notadamente os da Marvel Comics) 
começando pela Bloch, passando pela RGE 
até os famigerados formatinhos da Abril. 
Nessa época eu já comecei a pensar 
em desenhar quadrinhos...

Tony 15 – Curiosamente, sempre achei que 
você tinha algo a ver com o sul do 
país e hoje descobri que você 
atualmente mora no sul. 
O que o levou a buscar esta região do país que 
sempre atraiu muitos imigrantes europeus, 
inclusive, por causa do clima frio?

Jerônimo: Nem me fale em frio! Bom,
 minha família é de Jaguarão e Alegrete,
 mas meu pai foi trabalhar na
 Ford e eu acabei nascendo 
paulista. Voltamos para o sul até 1988,
quando eu decidi voltar para 
a minha terra natal...

Tony 16 – Ah, então eu não estava errado... 
sempre achei que você 
tinha um “Q” de sulista... 
Caro bengala friend, você passou pelo
 nosso estúdio (Felipe e Fernandes Produções), 
mas não me lembro se através da gente
 você conseguiu ou não publicar alguns 
trabalhos nas revistas 
em que publicávamos na época. 
Dá pra resumir e explicar como 
foi sua passagem por nós?



Jerônimo: Basicamente eu era um faz- 
tudo na Felipe e Fernandes produções.
Eu buscava os sandubas, levava os originais
 para a gráfica, pagava as contas e, 
volta e meia, desenhava alguma coisa. 
Lembro que eu coloria as revistas da
 Angélica e fazia arte- final para o Recruta Zero.
Também ajudava nos quadrinhos eróticos, 
mas nunca levei crédito.


Jerônimo não participou do Pequeno Ninja

Os Tortugas - Série criada para a revista Angélica
(Bloch Editores - anos 90)
Tony 17 – Que sacanagem não te demos 
crédito? Buscava sanduíches?
 Levava originais pra gráfica?
Ia pagar as contas no bancos e 
ainda desenhava? 
Fazia de tudo isso? Cacilda... 
Também não recordava esse detalhe. 
Da revista Angélica, da Bloch, eu me
 lembro que você fazia as guias de cores.
 Na época fazíamos a série Os Tortugas 
e uma outra série que era de uma bruxinha,
 que não me lembro o nome. 
Fizemos bastante HQs em cores pra eles.
 Diga-me, tendo mil atividades assim, 
deu para aprender algo sobre a profissão
 com a gente, além de devorar esfihas e
 pizzas regadas a chope? (Rsss...).

Jerônimo: Sim, claro, só o fato de eu poder conviver 
com tantas pessoas que eu admirava foi muito bom. 
Mas, como eu fazia muitos serviços
externos, não deu para evoluir o meu traço
 num nível profissional...

Num momento de descontração

Tony 18 – Falha nossa, minha ou do Epilef, pô... 
acho que não demos muita atenção  
ao seu lado artístico. Que merda... 
Cara, nos perdoe. Era tanta coisa, tanta agitação
naquela época que muita coisa, as vezes, passava batido... que gafe... fiquei com sentimento 
de culpa, sério...
Ficamos uma data sem nos encontrar.
 A última vez que isto aconteceu foi na entrega
 do Troféu Angelo Agostini, no bairro
 da Lapa (nasci naquela região: 
Vila Omana, subdistrito da Lapa, em S. Paulo), 
onde tive a honra de ser convidado, 
pelo “sobrinho” Vorney, para 
entregar o troféu Mestres dos
Quadrinhos ao bengala brother e veterano 
Salatiel de Holanda, em... em... hmmm... 
não deu para lembrar o ano. 
Foi uma grata surpresa encontrá-lo naquele dia 
memorável e anos depois,  no Facebook. 
Pergunto... 
depois que você passou pelo nosso estúdio, 
seguiu a profissão ou partiu para outra?
 Conta pra gente, o que
 você tem feito nos últimos anos? 
Trabalhou como escritor? Como desenhista? 
Ou fez alguma outra 
coisa, para sobreviver? Sei que este ramo não é fácil.
Alguns se adaptam e entrosam rapidamente, outros 
demoram um pouco mais. 
Como foi o seu caso? Narre sua experiência.

Jerônimo: Depois que eu saí da Felipe Fernandes eu
 fui contratado pela Editora Ondas como freelancer...

Tony 19: Mais uma grata surpresa, você voi trabalhar numa editora que estava bombando na época de um grande amigo meu, que há anos não vejo, 
o Rodolfo, se não me engano... errei!
A ondas era do Itagyba, pô! 
 A Ondas, na época, editava as melhores revistas
 eróticas do mercado, eu acho... nada a ver...
lançavam a revista do Gugu, em quadrinhos
e outros títulos... aquela editora estava 
faturando alto... continue...

Jerônimo: O problema é que eu morava numa 
Comunidade Anarquista, então era impossível
 trabalhar lá. 
A seguir as coisas começaram a dar
 errado: fomos despejados e tivemos que ir 
morar na Juréia. 
Eu passei muita fome.




Tony 20: Anarquista? Fome...
Eu não sabia...

Jerônimo: Voltei para Sampa e comecei 
a beber bastante. 
Estava morando com uma pessoa insuportável 
e prestes a fazer uma besteira. Liguei
 para meu pai e pedi para voltar.
 Em Porto Alegre, eu conheci a Revisão 
Editora e o senhor S. E. Castan que me
 auxiliou naquele período difícil.
 Voltei a me reunir com os amigos
quadrinistas e resolvemos criar o curso 
Visuart. Esse curso foi um sucesso,
 ganhamos bastante grana e fizemos o 
I Quadrimania.

Tony 21: Ainda bem que você deu a volta por
 cima, bengala brother,..


Uderzo, desenhista de Asterix

Jerônimo: Em 1997 decidimos acabar com 
o Visuart e eu decidi largar os quadrinhos e me 
tornar artísta plástico. 
Comecei a vender revistas para a Holanda
 ( Asterix) e Itália ( Tex e Zagor) .
Resolvi criar um Sebo junto com o 
Jorge Barwinkell.








Tony 22: Grande Jorge, também fez história...

 Jerônimo: Acabamos brigando e eu voltei para 
o comércio eletrônico. 
Em 2003 nasceu meu primeiro filho e eu 
estava desempregado.
 Em 2004 comecei a trabalhar de carteiro até o ano 
seguinte, quando fui chamado para o TRE-RS.

Tony 23: Tribunal Regional Eleitoras do
 Rio Grande do Sul... OK.
Que trajetória tempestuosa, Je... quanta coisa rolou 
e a gente porá qui sem saber notícias 
de você, cara... você sumiu... deu um disappear... 
perdemos contato... 
por um long long time... devia ter nos procurado...  
Pelo que me lembro... você 
cruzou o nosso caminho bem na época em que
desenvolvíamos as revistas para a editora Ninja, 
como: Udigrudi e O Pequeno Ninja, correto?

Jerônimo: Sim, mas era o Ninja grande. Hehehe. 
O Pequeno Ninja só foi lançado depois...


Tony 24: Ah, você está falando da série
 A Maldição do Guerreiro Ninja. Ou seja, era só 
Ninja , no formato 21 x 28 cms, que saiu 
pela editora Ninja, depois a serie mudou 
de nome e virou a Maldição do 
Guerreiro Ninja (pela Phenix)... 
captei vossos “sinais de fumaça”, 
lembrei... Você também praticamente viu 
nascer a Phenix Editorial, naquelas duas
 salas daquele velho prédio de
 academias. Certo? 



Depois, ampliamos a empresa e fomos 
para o bairro do Brás, 
próximo a estação do metro e 
da Souza  Cruz (famosa fábrica de cigarros).
 A região cheirava pura nicotina. 
Acho que aquele foi o
 tempo e que eu comprei menos cigarros 
na vida. Afinal, era só aspirar para
 dar uma tragada... (Rsss...). 
Um absurdo aquilo. Dá para falar
 um pouco 
sobre aquela época? 
Você morava em que bairro da cidade?

Num verdadeiro paraíso para quem gosta de HQs 

Jerônimo: Quando eu cheguei em Sampa 
eu fui morar na Aclimação. 
Depois eu fui para uma pensão no 
Cambuci e, finalmente, para aquela 
casa na Raul Pompéia (onde tive os 
melhores e os piores
 dias da minha vida).

Tony 25: Viver não é fácil, a vida é cheia 
de altos e baixos, principalmente
 quando somos jovens e inexperientes... 
ainda mais nesse metiê.
Mas, o importante é que você conseguiu 
superar toda essa barra pesada 
sem perder o equilíbrio, bengala guerreiro... 
parabéns!


 Que autor ou autores nacionais ou 
estrangeiros 
que o inspiraram?

      Jerônimo: No passado ou presente?

Tony 26: Você é quem manda, diretor...

Jerônimo:  Antigamente, eu curtia muito o Byrne, 
Miller e o Moebius. 
Hoje em dia eu só curto autores nacionais: 
Watson, Mozart, Seabra, 
Deodato, Rodval, Angeli, Salatiel, Bené e Emir...







Tony 26: Gostei da seleção... só feras. 
Também admiro essa galera.... 
Ouvi dizer que você teve uma grave doença
 e que ficou acamado por um bom tempo...
 dá pra falar um pouco 
sobre isso? Que mal o afligiu?
 E, como você conseguiu superar mais 
esta etapa difícil da sua vida, guerreiro?

Jerônimo: Pois é, em 1982 eu descobri 
que tinha câncer e comecei a quimioterapia. 
A doença voltou em 83
 e tive que fazer radioterapia.

Tony 27: Caraca... mais esta? Você tava 
“quizumbado”, hein? 
Tava precisando se benzer... prossiga...

 Jerônimo: Nessa época, meu pai começou a 
me levar gibis da RGE  (Rio Gráfica e Editora),
 no hospital. Eu comecei a desenhar e criei 
a Irmandade dos Mutantes 
( não confunda com Irmandade Mutante) .

Tony 28: Ok. Entendi. Você também trabalhou em agências de publicidade e em editoras, OK? 
Desenhando ou fazendo 
redações, grande escriba?


Jerônimo: Sim, eu trabalhei na Z Produtora 
Cinematográfica durante um ano, 
com o grande Paulo Baldo. Eu criei algumas
 campanhas, como a da Auto-Locadora 
Madruga...

Tony 29: Mais um dado sobre sua carreira que eu 
também não conhecia... maravilha. 
Diggite Studio... vamos falar 
sobre este seu estúdio... 
como, quando e por que você o abriu?
 Quantas pessoas trabalham com você e que tipo 
de serviços você (ou vocês) desenvolvem?

Jerônimo: Quando me chamaram no TRE e o meu 
salário passou de R$ 300 para R$ 3000 eu pensei:
 “ Agora é a hora de lançar uma revista” . 
O ano era 2005. Chamei o Marcelo 
Tomazi para editar e o Alex Doeppre
 para diagramar. 
Lançamos a Casa das Máquinas, a Hangar 02 
e a Hangar Especial. 
Também fizemos Comissions Eróticos, 
durante algum tempo. 
Atualmente estou planejando a Hangar 03, que 
vai ser lançada em parceria com outro grupo 
(mas isso é uma surpresa) .



Estudo preliminar para uma estampa

Tony 30: Que bom que o vento, de repente, 
começou a soprar ao seu favor...de 300 para 
3.000 foi um bom salto no seu faturamento.
 Reuniu os amigos e começou a lançar seus 
produtos. Muito bom... é legal saber 
que a Hangar 3 vem aí!
 Muito sucesso nessa nova empreitada. 
Você tem garra, fibra e
 não esmorece nunca! Isto é coisa de 
bengala guerreiro, com certeza...


Pelo que sei, você tem vários personagens 
de histórias em quadrinhos. 
Fale-me sobre eles.


Qual deles é o seu preferido?
E, qual deles já foi publicado?

Jerônimo: A partir de 1983 eu comecei a criar 
centenas de personagens, mas um dos
 meus maiores sucessos, 
a minissérie Terrorismo no Oriente é com o 
personagem Caçador, de Marcelo Tomazi.

Tony 31: Por infelicidade não conheci esse 
trabalho de vocês. 
Fique a vontade, prossiga...

 Jerônimo: Ainda nos anos noventa eu lançei a 
minissérie Campo Grande, que era um 
crossover do Fauno com o Alfa, do HDR. 
Depois, com o Visuart, surgiu o Devastador 
e os Anjos Negros. 
A partir de 1998 eu lancei a revista Mercado Negro,
 com o Grupo América. E, finalmente, em
 2005 surge Jerry Silva, 
o vampiro metaleiro...



Tony 32: Cara, você fez muita coisa, muita 
mesmo. Fantástico! Aposto que muito dos 
nossos bengalas friends do facebook também desconhecem toda esta sua produção... 
parabéns, mais uma vez. 
Pergunto: Os Jetsons  (anos 60) - 
Este era o título de uma clássica serie de desenhos animados exibida na TV 
criada nos Estados Unidos pela Hanna-Barbera
 (Joseph Barbera e William Hanna), dois ex-funcionários 
da Disney e que também produziram o
 clássico Tom e Jerry). Ouvi dizer que está serie foi desenvolvida por um estúdio 
brasileiro, do sul do país... isto é verdade? 
Eu adorava os Jetsons e os Flintstones. 
Aliás, ainda adoro. 
Pra mim esses são dois clássicos 
da animação universal. 
Qual era o nome do estúdio que fez 
a animação por aqui? 
Você chegou a estagiar ou a trabalhar 
com eles, na época?










Jerônimo: Sim, eu fiz estágio na Cartoon 
Desenhos Animados, do Felix
 Follonier. Havia concluído o curso de um 
ano e fora contratado, mas os castelhanos
 pagavam muito pouco. 
Também fizemos outros 
desenhos, que nunca passaram no Brasil.

Tony 33: Castelhanos? Você quis dizer, argentinos,
aposto... Outros desenhos que nunca foram 
exibidos na TV brasileira? 
Caramba... Essas entrevistas, de fato, são
 reveladoras e esclarecedoras... eu nunca tinha 
ouvido falar que a animação 
dos Jetsons tinha sido feita 
no sul do Brasil, nos anos sessenta. 
Alguém me disse que isto era
 verdade, confesso que não creditei, 
pois jamais havia ouvido 
falar disso,  e esse alguém também 
me disse que você havia
 conhecido o pessoal ou trabalhado com eles.
 Então, a coisa... ou seja, a informação 
que eu tive foi verdadeira. 
Sensacional.
 Não é de hoje que os gringos vêm buscar mão
 de obra barata e especializada 
na América do Sul. Esta revelação foi bombástica.
 Sei que você está editando uma revista.
 É a terceira edição? 
Qual é o nome dela e qual é a tiragem? 
Qual é a finalidade dela? HQs?
 Reportagens? 
Enfim, dá pra dar maiores detalhes?



Jerônimo: Sim, é a terceira edição, fora a Hangar Especial. Não posso dizer muita coisa,
 pois está apenas na fase de planejamento.
 A princípio seria uma revista online, mas 
talvez eu imprima uns 500 exemplares. 
A finalidade das nossas revistas é publicar 
histórias minhas com desenhistas convidados. 
Eu geralmente também apresento
 um artigo de alguém que eu admiro
 (que não tem nada a ver com quadrinhos).


Caricatura





Tony 34: Gostei da idéia dos convidados
 desenhando seus roteiros...
 Quem quiser colaborar com sua publicação, 
como deve proceder... e que tipo de 
colaboração você necessita no momento?

         Jerônimo: No momento eu estou procurando 
           desenhistas, arte-finalistas e diagramadores. 
Eu costumo pagar o pessoal, 
mas a minha verba é bem limitada...

Tony 35: Aposto que assim que o pessoal ler 
este seu depoimento vai chover de gente 
“na sua horta”... 
isto é, se propondo a colaborar contigo.
Sobre você ser um artista plástico e um escritor... 
qual das duas profissões
 exercidas por você é sua verdadeira paixão?

Jerônimo: São duas grandes paixões. 
Eu abandonei os pincéis e tintas e me dediquei a fotografia. Quanto a literatura, gostaria de 
reunir todos os meus posts do 
Blog Hangar num livro. Seria legal...

Tony 36: Fotografia é um bom filão e também é arte, obviamente. Nosso amigo Gege Carsan, 
o Tex Willer tupiniquim, 
também milita nesta área... Quais os
 seus planos para o futuro?

Jerônimo: Ser um pai melhor, um marido melhor 
e um amigo menos chato...

Tony 37: Legal, sua meta. O Princípio Inteligente,
 aquilo que por mera ignorância chamamos
 de Deus, mas que na real é
 o inominável, concebeu a gente e todo 
o cosmo para uma única finalidade:
 a evolução. Portanto, o Universo está 
sempre em constante mutação, como se 
fossemos programados, anteriormente a nossa 
concepção,  para buscar a constante 
evolução, quer seja ela 
espiritual ou material... 
todos nós – “os macacos” -, um dia temos
 que evoluir, digo sempre (Rsss...). 
Parabéns, pela consciência... Defina-se... 
Jerônimo Fagundes de Souza, 
por Jerônimo Fagundes de Souza?

Jerônimo: Como diria meu pai, alguém que não 
se envergonha de ser um artista menor.










Tony 38: Cara, isto foi fantástico. 
Também me considero assim, 
com muito orgulho. Só o fato de termos recebido 
o dom e de poder realizar alguns trabalhinhos,
 já é fantástico... 
O mercado mundial editorial está em crise,
 já há algum tempo. Não se vende mais como antigamente nos tradicionais pontos de vendas 
e se fala muito em webcomics, etc. 
Qual é a sua opinião sincera sobre o assunto?
 A WEB chegou para acabar com  o
 material impresso?

Jerônimo: Considerando- se que todo dono de 
banca é um FDP, que insistem em esconder o nosso
 material e mostrar apenas o lixo da Panini... 
sim, a WEB vai acabar com as revistas...
 e eu acho isso ótimo!

Tony 39: Sério? Espero que você
 esteja errado... (Rsss...). 
Os donos de banca não expõem a mercadoria, não porque odeiam os autores nacionais, mas porque a distribuidora pra mandar o chamado “filé” 
empurra na goela abaixo deles os “lixões nosso”. 
Ou seja, produtos pouco conhecidos, mal 
divulgados, com tiragens neutras, bundas. 
Esta é a real. A poderosa distribuidora dita 
as normas e todos têm 
que rezar pela cartilha ou sifú...
Na sua opinião, caro e old 
sinistro bengala friend... (Rsss... sabia que 
eu não ia resistir... )... Quais são os 
gibis de HQs que 
você compra atualmente? 
Quais são os melhores autores nacionais
 e importados 
dos últimos 10 anos?


Luluzinha Teen é produzida no Brasil
e faz sucesso


Luluzinha edição americana
As antigas HQs de Luluzinha, atualmente,
estão de volta às bancas


Jerônimo: Agora vocês vão me matar: 

eu só compro Turma da Mônica e Luluzinha. 
Estava falando com o
 Léo Santana e comentávamos que não 
tínhamos mais vontade de comprar gibis. 
A maioria já está online. 
Eu tenho a casa abarrotada de gibis,
 nem tenho mais onde guardar.
Os melhores autores? O grupo 
P.A.D.A, o Laudo, Alex Mir, Daniel 
Esteves, Eduardo Mendes, Anderson Ferreira,
Will, Diego Müller, Mário Cau, Jerry Adriani, 
André Caliman, Rodolfo Santullo, 
Lorde Lobo, Jader Correa, Gervásio 
Santana, Maxflan Araújo, etc...

Tony 40: Matar? Por quê? Normal, gosto não
 se discute. Concordo com você, também,
 acho que o P.A.D.A tem um grande 
time e ótimos produtos. 
Entrei no seu site, para colher dados sobre 
você para esta entrevista, mas ele está
 em construção, pelo visto... não há quase
 nada. Mas, o que chamou minha 
atenção foi um link, se eu não me engano, 
em alemão:
 “Mein Kunst” (minha arte)... 
você é de descendência ou influência germânica
 ou simplesmente tem simpatia por aquele
 povo que foi guerreiro num passado
 não muito distante?

Jerônimo: Não, eu sou de uma família italiana e 
portuguesa, mas adoro a colônia alemã do 
Rio Grande do Sul.

Tony 41: Também tenho bons amigos na 
comunidade germânica e já cheguei até a
 freqüentar um clube deles aqui em 
S. Paulo, no bairro do Jaçanã... nada contra.
 O que Hitler fez, ninguém tem culpa. 
O que passou, passou... 
No sul do país há muitos simpatizantes 
do nazismo.
 Qual é a sua opinião sobre isso?



Jerônimo: O Nacional- Socialismo é uma
 ideologia tãoválida quanto qualquer outra. 
O problema é que 
existem muitos ignorantes( racistas) 
que usam a suástica e queimam 
o nosso filme...



Tony 42: Entendi... Você tem um filho maravilhoso 
(vi as fotos)... se o seu filho, um dia, optar 
por esta carreira de “malucos” (no bom sentido), 
qual seria sua atitude? Iria incentivá-lo
 ou fazê-lo partir para outras profissões 
mais estáveis e rentáveis? 
Tcham-tcham-tcham-tcham!

Jerônimo: O Pablito gosta muito de desenhar, 
mas eu não gostaria que ele passasse 
por todo o sofrimento que 
eu passei. Diria para ele fazer um 
concurso público e, depois, lançar um zine.
 Hehehehe...

Tony 43 – Gostei da idéia... seria um ótimo conselho. 
Viver só de HQs nesse país ainda é sonho 
e coisa de doido.
 (Rsss...). Um bom livro?



                 Jerônimo: Techniques of Drawing, do José M.               Parramon. Esse artista espanhol escreveu a maioria                  dos livros fundamentais do desenho artístico. 
                        Esse é um ítêm obrigatório na biblioteca 
                                  de qualquer quadrinhista.

Tony 44: Não o conheço, juro... mas, fiquei curioso e vou procurar pra comprar... Um grande filme?

       Jerônimo: A Queda- Edição Especial. Essa película retrata bem a decadência espiritual, 
física e social que tomou conta do Führer nos 
últimos dias da Guerra. Ele estava doente e foi abandonado pelas pessoas que mais confiava. 
É uma história comovente.



Tony 45: Mais um que vou procurar. 
Grato, pela dica. Já pensei nisso, talvez 
pintaram o homem como o capeta e 
as vezes a história é outra... vivemos de 
grandes mentiras históricas, você sabe... 
Um sonho?


Jerônimo: Dominar o mundo? Hehehe. 
Não, eu tenho uma grande admiração 
pelo Uruguay e fico me imaginando
 morando em Montevideo, 
frequentando cassinos e dançando 
um tango na praça...

Tony 46: Ay, caramba, muchacho! Muy buena
 idea, compadre (Rsss...)! Prefiro Punta Del Leste. 
Se mudar pra lá nos avise e não perca 
o contato, OK?  
Infelizmente, estamos chegando
 ao final dessa esclarecedora entrevista,
 grande Je... agora todo mundo ficou 
conhecendo um pouco mais sobre sua 
vida e sobre sua trajetória profissional. 
Farei a derradeira pergunta, mas você 
também pode deixar seus e-mail, blog,
  fone etc. E, também se quiser, deixe 
aí uma dica para quem 
pretende ou sonha em entrar 
para este ramo de "doidos". OK? 
Então, vamos lá...deixe aí seu parecer
 sobre a situação das histórias em quadrinhos 
atualmente no mundo, visto que as vendas 
desabaram... e qual é a sua opinião sobre
 mangás e super-heróis?

Jerônimo: Eu sou um grande fã de animes, 
costumo frequentar convenções e 
fazer um cosplay meia- boca. 
Assim, o pessoal já se acostumou a ver as
 minhas revistas e comprar, de vez em quando. 
Eu leio o webcomics piratas toda 
semana. Sandro Marcelo é o especialista 
em super-heróis no Brasil e eu sempre 
elogiava e dava sugestões para ele. 
Não tenho preconceito contra gêneros 
de comics. Fazendo um trampo honesto 
ganha o meu respeito.
 O problema é que tem alguns poucos 
arrogantes que esculacham o pessoal 
independente. Isso é um sinal 
grave de mediocridade.
Cara, as vendas desabaram, mas pela 
primeira vez eu vejo quadrinistas 
do Brasil e Portugal unidos.
Meu blog é :diggitistudio.blogsopt.com
E- mail social: 
E- mail profissional: 
clientes@jeronimodesouza.com.br

Tony 46: Claro, um trabalho honesto, 
original, mesmo 
que não esteja lá essas 
coisas, que esteja em um processo 
evolutivo, merece todo o nosso respeito. 
My dear bengala friend and brother, grato, 
por sua atenção e muito sucesso em seus 
novos e futuros projetos profissionais 
e pessoais. E que Deus continue iluminando
 seus caminhos, afinal, depois de superar
 tudo o que passou (no que se
 refere a doença que você enfrentou e as
 intempéries do mercado), você provou 
que é um grande 
guerreiro e um grande 
exemplo de vida!
 See you later, ex-sinistron...  (Rsss...).
 Vida longa ao Diggiti Studio, grande escriba! BYEEEEEE!     

Jerônimo:Valeu, Tony, por ter comprado 
meus quadrinhos e por ter criado os 
fabulosos Bengala Boys!




Tony 47: Sem problema, nosso negócio
 sempre foi dar espaço aos veteranos
 e aos novos talentos,
 no passado. Infelizmente,
 atualmente, este mercado mudou 
muito e o espaço para as HQs, 
em bancas, tem foi reduzido 
drásticamente. 
Mas a batalha continua. Detalhe: 
Compramos seu “Ratos do Porão” e 
outros trabalhos porque 
era um bom material profissional!
 Saúde, paz, pra você e pros seus entes 
queridos! Grato, 
por sua colaboração, mais uma vez, 
e muito sucesso, 
de coração! Você merece...

 À todos que leram este fantástico 
talkie show virtual, 
com mais este incrível depoimento, 
um grande
 mano amplexo e até a próxima 
entrevista, bengalas friends!

 E não esqueçam vem aí...
Hangar 3 - A Casa das Máquinas
Dúvidas? Consulte o link abaixo...


TEX WILLER (DA BONELLI COMICS) 
ULTRAPASSOU 
A EDIÇÃO # 500, PELA MYTHOS!
Confira a matéria especial em...



http://bengalasboysclub.blogspot.com

Copyright 2011\Tony Fernandes\Estúdios Pégasus\
Uma Divisão de Arte e Criação da Pégasus Publicações Ltda\
São Paulo\Brasil
Todos os Direitos Reservados